O BLOG

Uso este espaço para postar alguns temas que gosto: arquitetura, construção, sistemas construtivos, paisagismo, patrimônio cultural, arte, museus/museologia, design, escultura, finanças, fotografia, música, e outras coisinhas..

Este blog é fruto das minhas leituras, edito o que mais gostei...para nossa inspiração!

Obrigada pela visita e volte sempre.

Seja Bem-Vindo (a) !!!

Este blog foi elaborado pela arquiteta Marjorie Karoline © 2008-2016

domingo, 25 de setembro de 2011

Escritório bem criativo

Passar o dia inteiro dentro de um escritório, é a realidade da maioria dos trabalhadores, agora imagina trabalhar num local estimulante, acolhedor, cheio de vida e bom gosto? A produtividade agradece.. Então, curta o escritório  de arquitetura de Turibio e Zezinho, em Recife...

ca  .  sa  .  ima  .  03  .  a 
ca  .  sa  .  ima  .  07  .  a

ca  .  sa  .  ima  .  15  .  a

ca  .  sa  .  ima  .  47  .  a 

ca  .  sa  .  ima  .  51  .  a 
ca  .  sa  .  ima  .  35  .  a 

ca  .  sa  .  ima  .  31  .  a 

decoraçao móveis 02.jpg 605x402 Escritório bem decorado
 

Fim de Semana, em casa...

Decoração Rústica com muito charme, via o blog Casa de Valentina.
Linda, perfeita, remete a bons momentos, conversas, amigos, companhias, memórias, saudades.. espero que gostem também.

decoracao rustica 10 Decoração rústica 

decoracao rustica 03 Decoração rústica 

decoracao rustica 05 Decoração rústica 

decoracao rustica 02 Decoração rústica 

decoracao rustica 01 Decoração rústica 

decoracao rustica 06 Decoração rústica 

decoracao rustica 09 Decoração rústica 

decoracao rustica 07 Decoração rústica 

decoracao rustica 08 Decoração rústica

Trabalhe em casa com prazer - Home Office parte 2

Trabalha em casa? Quem disse que o canto reservado ao trabalho e ao estudo em casa tem que ser sisudo e sem graça?

 Na janela, cortina de voal . As cadeiras (Tok & Stok) entram no clima. Para valorizar a paisagem, com vista para o Pão de Açúcar, e trazer a natureza para dentro, a primeira providência foi abrir uma janela na parede da frente e emoldurá-la de grama sintética.
Boa ideia: revestida de hera sintética (Festa Mix), a parede verde deu vida ao escritório. O material foi grampeado sobre ripas de madeira fixadas com pregos na alvenaria.






Com liberdade para criar, a cenógrafa carioca Gigi Barreto transformou parte da sua casa em um bem-humorado cenário para abrigar sua mesa de trabalho e a das sócias, Olivia Azevedo e Natasha Frota. 

 A bancada em L de freijó veio do antigo apartamento da cenógrafa. As prateleiras de alvenaria ganharam frente falsa de MDF para criar o efeito amadeirado. 


Para garantir mais privacidade aos moradores, a arquiteta  reinventou o layout desse apartamento carioca. Ela tirou partido das medidas generosas da sala íntima e idealizou o escritório em um dos cantos do cômodo: um amplo pano de vidro limita o ambiente sem isolá-lo completamente. Feita de peroba, a estante suspensa  ganhou portas de vidro para proteger os livros. O pendente (La Lampe) proporciona uma luz fria à mesa de trabalho. O colorido da manta e das almofadas sobre o sofá deixa a cena mais alegre.







Outra saída esperta foi desenhar a bancada em uma altura abaixo da parede de madeira e assim esconder materiais espalhados ali. 


Um ambiente despojado, simples e funcional era tudo o que o jovem morador desse apartamento desejava. Como atua na área de marketing e costuma trazer trabalho para casa, pediu ao arquiteto uma decoração elegante e sóbria, que não tirasse sua atenção do computador. O arquiteto desenhou então uma marcenaria prática e escolheu o matiz chocolate para a parede de fundo. Sobre o piso, o tapete de couro deixa a cadeira deslizar pelo cômodo. “O marrom absorve a luz natural intensa e realça os móveis”, assinala. Desenhada pelo arquiteto, a bancada de madeira  ocupa toda a extensão da parede e oferece espaço de sobra para o computador, a base do iPod e os papéis. Essencial nas reuniões de trabalho que o rapaz gosta de promover em casa, o sofá foi revestido de chenile azul (Donatelli). A cadeira de Charles e Ray Eames (Micasa), o tapete (By Kamy) e a cortina de sarja crua (Sol e Art) trazem conforto.





 Apê com 40m²




Via: Casa Claudia

Home Offices - dicas para montar o seu

A tendência se tornou realidade e hoje é cada vez mais comum a casa se transformar em substituto do escritório ou a extensão dele. Com a tecnologia jogando a favor, na tranqüilidade do lar, doce lar, é possível trabalhar diariamente, pesquisar na internet, se dedicar a um hobby ou simplesmente ler e-mails. Seja qual for o seu caso, saiba como organizar um espaço funcional e aconchegante com todo o conforto e livre de improvisos. 

1. Enumere suas necessidades
Antes de mais nada, é preciso pensar nas demandas de sua profissão e de seu dia-a-dia. Comece pelo básico e avalie se você vai trabalhar em casa ou utilizar o escritório esporadicamente. E mais: se mora sozinho, se tem filhos pequenos ou se pretende dividir o espa-ço com colegas e assistentes. Con-sidere também a possibilidade de receber clientes e fornecedores em casa. "Essas informações dão subsídio para elaborar um home office adequado ao perfil do morador", diz a arquiteta Denise Soares.

2. Liste os equipamentos
Computador, fax, impressora. De acordo com as tarefas que você irá executar, determine quais acessórios serão imprescindíveis. "Só assim é possível dimensionar o espaço necessário para acomodar tudo com conforto", avisa a arquiteta Lúcia Helena Castro. Em nome do bem-estar, instale uma linha de telefone exclusiva e planeje um ga-veteiro para organizar os papéis. Não se esqueça de uma estante ou de prateleiras para abrigar livros, revistas e material de escritório.

3. Eleja um canto
Falta de espaço não é desculpa. "Em 3 m2 é possível instalar uma bancada mínima (50 cm de profundidade e 90 cm de comprimento), estante, prateleiras e gaveteiro sob medida", diz a arquiteta Denise Soares. Mas, se você trabalha em casa muitas horas por dia, o ideal é ter um ambiente exclusivo, que pode ser uma edícula ou um quarto isolado. Seja qual for a escolha, verifique a parte elétrica, pois você vai precisar de tomadas e pontos para telefone e conexão de banda larga. 

4. De olho na postura
Um mobiliário adequado evita doenças ocupacionais, como a LER. "A altura ideal da bancada varia entre 75 e 80 cm, enquanto mouse e teclado vêm logo abaixo (de 65 a
70 cm de altura)", diz o arquiteto Marcelo Mendonça. Para evitar movimentos repetitivos do pescoço, alinhe o monitor na altura dos o-lhos. O encosto da cadeira deve ter uma altura que atinja a escápula (o osso que forma as duas asas laterais das costas). E mais: a posição correta de sentar forma ângulos de 90º entre tronco e antebraços, tronco e pernas, coxas e parte inferior das pernas e entre tornozelos e pés.

5. Luz na dose certa
Economize energia, contando com uma janela ampla. "Porém evite instalar a bancada do computador contra a abertura, pois o reflexo da luz no monitor é prejudicial", alerta o arquiteto Fernando Forte. Mesmo com uma boa luminosidade, o ambiente deve contar com uma luz artificial geral e homogênea somada a uma iluminação pontual na mesa. O foco deve ser perpendicular, vindo da direita para quem é canhoto e da esquerda para os destros para não fazer sombra sobre o papel.

6. Decoração simples
Fuja dos excessos e restrinja sua mesa ao que é indispensável. Uma opção é instalar um painel magnético acima da bancada para lembretes e recados importantes, evitando papel espalhado pela bancada ou atulhando gavetas. "Se houver espaço, pinte uma das paredes com tinta de lousa", indica Fernando Forte. Para compor o ambiente, adote persianas, que têm lâminas de fácil limpeza, mas podem escurecer o ambiente. Já as cortinas de tecido fluido não comprometem a iluminação, porém exigem lavagens freqüentes.

7. Acabamentos práticos
Escolha materiais de aparência leve e fáceis de limpar, como laminado melamínico no tampo da bancada. "Cores claras nas paredes e nos móveis dão a sensação de conforto visual e não tornam o ambiente cansativo", comenta Marcelo Mendonça. No piso, além da aconchegante madeira, laminados e cerâmicas de alta resistência facilitam a manutenção. "Uma opção econômica é o granilite, que deixa o escritório com uma charmosa atmosfera de estúdio", afirma Fernando Forte.

8. Fiação camuflada
Encomende uma bancada sob medida com fundo falso ou compre em lojas especializadas uma mesa com canaletas que escondam a fiação. "Outra alternativa é providenciar um painel falso cobrindo parte da parede atrás da estação de trabalho", recomenda a arquiteta Paula Neder. Reúna duas ou três to-madas numa só parede para evitar fios por todos os lados e instale-as logo abaixo do tampo da bancada.

9. Móveis na medida
Outrora pesados e sem graça, os móveis de escritório ganharam agilidade e bom desenho. Na hora dacompra, escolha entre as peças próprias para escritório por serem ergonômicas e de fácil manutenção. O arquiteto Marcelo Mendonça recomenda mesas com desenho em C ou L para evitar deslocamentos na cadeira. "Bordas arredondadas não machucam o corpo, e tampos com superfícies opacas evitam que a luz se reflita", acrescenta.

10. Acessórios caprichados
Aliados da organização, eles também podem inserir um toque divertido ao escritório. Em ambientes informais, uma boa pedida é adotar acessórios de plástico ou zinco, que são opções econômicas e resistentes. Outra alternativa é o acrílico, que por ser transparente oferece uma boa visibilidade dos objetos, porém é suscetível a riscos. Já peças de madeira ou encapadas de couro conferem sofisticação. O mesmo vale para as de inox, de preferência com acabamento lixado.

Fonte: Casa Claúdia - agosto/2005  
 

Rosane Aguiar
O espaço só tem 10 m², mas a disposição dos móveis e o mobiliário branco ampliam esse escritório. As prateleiras foram feitas em mogno com tingimento castanho. A parede é parcialmente revestida em palha e pintura grafitada. O design do mobiliário e a pintura foram desenvolvidos pela própria decoradora. O piso é carpete. 

Lucila Martens
Este escritório foi projetado para uma mulher solteira. Para que o ambiente de 10 m² fosse ampliado, a arquiteta optou por tons escuros somente na chaise-longue. A estante e a mesa foram revestidas de laca branca. A parede de tijolinho apresenta uma pintura lavada, também branca. O piso é assoalho de madeira grápia.
Karen Pisacane
Este ambiente foi todo configurado a partir de um antigo móvel de TV da proprietária do apartamento. O raque de carvalho natural foi reformado para adaptar-se ao home office. Os nichos foram transformados em gaveteiros revestidos de laca roxa. O mesmo material foi usado para criar as estantes e a bancada. Assim, o espaço de aproximadamente 18 m² pode ser usado como home office e home theater.
Karen Pisacane
A sala íntima entre os quartos deste apartamento virou escritório e home theater. A ideia era unir a família ao fim do dia neste espaço de aproxidamente 20 m² – contando os corredores de circulação. O móvel foi feito em laca branca com imbuia mel. Um sofá em L contorna o espaço.
Lucila Martens
Um escritório em casa para um jovem solteiro foi a proposta para este home office de aproximadamente 10 m², que tem piso de carpete e parede de cimento queimado. A estante e mesa são de madeira nogueira. O ambiente fica despojado com a guitarra e a estátua em estilo de mangá em cima da mesa.

Paulo Alves
No canto de uma sala foi usado este espaço para criar um pequeno home office tendo como base o móvel revestido de fórmica, da sua linha “paulista”. “A ideia é ter um espaço para trabalhar em casa com o notebook”, explica o arquiteto. O piso é assoalho de cumaru.

Patrícia Vertuan
Este ambiente de 9 m² foi projetado para a mostra Casa da Noiva em 2008. O piso é laminado de madeira. A bancada de mdf mede 1,4 m e um gaveteiro volante é usado para guardar objetos. Os nichos servem de apoio para livros e revistas. A chaise bege quebrou a seriedade do home office. O canteiro foi montado com seixos rolados e juncos.


Centro de artes visuais

O projeto do arquiteto Rafael Viñoly para um novo centro de artes visuais será inaugurado neste domingo (25). O "firstsite" será o local para exibição do trabalho de longa data feito pela organização de mesmo nome. O edifício está localizado na cidade de Colchester (Reino Unido), em um terreno limitado pela parede romana que existe na cidade.

Richard Bryant/arcaid.co.uk

O empreendimento de 3,2 mil m² conta com galerias para exposição e receberão trabalhos da Universidade de Essex, assim como salas de aula para crianças e estudantes, um bar/restaurante e um auditório com capacidade para 190 pessoas. O edifício ficará aberto diariamente, com entrada gratuita.
No centro da edificação ficará o Mosaico Romano de Berryfield, recém-restaurado, e que data aproximadamente do ano 200. O mosaico foi encontrado no mesmo terreno onde o firstsite está sendo construído e estava no castelo de Colchester, sendo a única peça em exibição permanente do centro.
Richard Bryant/arcaid.co.uk
A ideia do projeto foi criar um grande espaço público e áreas de parque que se relacionassem com as ruínas romanas do local. O edifício pode ser caracterizado como meio círculo, com as pontas com fechamento em vidro. No norte do edifício, o telhado é um pouco mais alto, seguindo a linha do terreno. A fachada é formada por paineis de alumínio e cobre na cor dourada. A fundação do tipo radier não deve afetar o sítio arqueológico local. 

Richard Bryant/arcaid.co.uk 

Fonte: Revista AU - Arquitetura e Urbanismo |set.2011|

sábado, 24 de setembro de 2011

Habitação Popular e a Estética - Eslovênia

Arquitetura ligada a habitação popular também requer beleza..

Projetos de baixo custo podem ser bonitos e interessantes , um ótimo exemplo é a obra dos arquitetos do Ofis, que venceram um concurso público realizado pelo Fundo de Habitação Esloveno com o edifício de habitações populares na cidade de Izola, Eslovênia.

Formado em 1998 pelos arquitetos Rok Oman e Spela Videcnik, o escritório de arquitetura OFIS arhitekti tem base na cidade de Ljubjana na Eslovênia. Entre seus projetos de diferentes escalas, se destacam a combinação de cores com texturas e materiais aliados a volumetrias marcantes.




Honeycomb Apartments, Izola, Slovenia

OFIS apresenta uma arquitetura muito interessante, juntando-se a grandes escritórios da Eslovênia e países vizinhos. O uso de materiais, como madeira e pedra, aliados ao controlado uso de cores, trazem um equilíbrio para este conceito que apresenta uma volumetria muitas vezes ousada e repleta de informações e detalhes. Com perfeita sintonia com estas características aparecem os projetos de interiores, com uma proposta sempre adequada com a funcionalidade da obra.

                                                      photo @ Tomaz Gregoric 

photo @ Tomaz Gregoric


domingo, 11 de setembro de 2011

Quarto com jeito de adolescente

Organizar a bagunça nem sempre é uma tarefa fácil, as vezes falta vontade, senão espaço..

A pedido de um(a) leitor(a) seguem sugestões divertidas, diferentes e interessantes para quarto de adolescente (meninos e meninas), espero que gostem.



Um título para uma foto sem titulo

Cama, armário e criado-mudo para ela; cama, armário e criado-mudo para ele. Somente a mesa de estudos e a sapateira (foto) têm uso compartilhado – ainda assim, com espaço garantido para os dois. A porta de correr permite que nenhum centímetro quadrado seja roubado da dupla.

Palavra dos especialistas em educação: escrivaninha arrumada e horário fixo para a lição de casa melhoram o bom desempenho escolar. Deixe a bagunça, os brinquedos e os joguinhos eletrônicos longe daqui. Neste pedaço, só há lugar para livros, cadernos e computador – de preferência um notebook, que ocupa menos espaço.

A lição número 1 é não exagerar nas medidas da mobília. Quando se trata da cama, analise o tamanho do colchão e o volume da cabeceira. Uma peça clara e retinha ocupa menos espaço e evita a sensação de ambiente cheio demais. Dois armários, com três portas cada um, são mais versáteis do que um guarda-roupa gigante, já que eles podem ficar juntos ou separados, ou ainda ser mudados de lugar. E evite cortinas franzidas, que tomam espaço e são um problema para quem é alérgico. Nesse caso, foi usada uma persiana de PVC que imita madeira - moderna, unissex e, sobretudo, compacta.

A estante suspensa é composta de dois módulos sobrepostos, parafusados na parede e um cabo de aço, fixado no teto, para dar sustentação. Na lateral da estante, uma brincadeirinha: a superfície de laminado foi lixada e pintada com tinta lavável roxa (Luksclean1945, da Lukscolor), fazendo as vezes de um quadro de recados. Mas deixe secar por pelo menos 24 horas antes de escrever – e só use giz para lousa.

Crianças amam novidades – e vão adorar a cabeceira com lençóis e edredom. A capa estampada, com bordado, parece uma fronha: basta vesti-la por cima. O mais importante é o recheio de fibra sintética, desses usados em colchas de matelassê, que impede que a peça fique molenga. Mas, se a intenção for harmonizar a cabeceira com diferentes roupas de cama, observe os tons do que você já tem em casa e escolha uma estampa que sirva para todas. E repare no detalhe da almofada de ovelha que guarda o pijama!


Revista Minha Casa - setembro 2010










Cavalete amarelo canário Libro













Nada mais atraente para um adolescente que um ambiente despojado, rústico e moderno. O piso de peroba e o teto com caibros de madeira, na inclinação do telhado, dão sensação de aconchego ao ambiente. A TV está presa num suporte giratório. Ao lado da bancada de estudos, um móvel com gaveteiros organiza livros e cadernos. Repare ainda nos ganchos fixados na parede: eles economizam espaço e funcionam como cabide para que mochilas, roupas e bonés não se espalhem pelo ambiente.



O menino de 12 anos queria que seu quarto de quase 20 m² tivesse tudo de que ele gosta: espaço para os amigos, muitos armários e um visual radical.  A espaçosa bancada de estudos ganhou prateleiras e nichos que acolhem TV, som, vídeo, fitas de jogos, CDs e DVDs. Para não prejudicar a abertura da janela, criou-se um baú-cabeceira, onde ficam guitarra e amplificador.



Uma grande bancada de laca branca integra a cabeceira neste quarto de 14,8 m². O dono, uma rapaz de 18 anos, queria um dormitório funcional, que não tivesse aparência infantil nem séria demais. Um painel de aço inox foi fixado na parede junto à cabeceira, criando um espaço para fotos e recados. A área de estudo ganhou prateleiras e um móvel volante com gaveteiro. Sobre o piso de perobinha clara, um tapete fofo traz conforto e destaca a área de circulação. Na janela, uma persiana rolô filtra a luz natural.


O proprietário deste quarto de 15,5 m² tem 15 anos, mas mesmo assim queria um ambiente clássico de descanso, tingido com tons sóbrios como cru, bege e fendi. A bicama encostada à parede propicia um melhor aproveitamento dos espaços. Na parede ao lado, um espelho de grandes dimensões aumenta a sensação de amplitude no dormitório e reflete uma caricatura gigante que retrata o morador. Sobre as prateleiras repousam coleções, raquetes e bolas de tênis, o esporte mais praticado. Focos de luz embutidos foram distribuídos no forro ao redor de toda a área.

 O proprietário deste quarto de 14 m² é fanático por cinema. O acesso é obtido pela escada de metal que se apoia em qualquer um dos quadrados vazados. A área foi dividida em dois ambientes por meio de um armário baixo, onde fica a pequena TV giratória com fiação embutida. De um lado, um sofá se transforma em cama, assim como o pufe. Este se encaixa sob a mesa de cabeceira, liberando espaço quando não está em uso. Do outro lado, a longa bancada reúne computador, gaveteiros e mesa desdobrável para trabalhos em grupo.


Um visual essencialmente masculino marca o dormitório do rapaz de 16 anos. O efeito visual ficou ainda mais destacado pelo nicho com iluminação embutida, inserido sobre a cabeceira da cama. A escrivaninha com tampo duplo – madeira e vidro – ganhou a companhia de um armário suspenso, fechado com portas corrediças de vidro verde, combinando com todo o ambiente.



Além de uma cama macia e um canto para estudar, o dono do quarto de 16 m² queria um espaço privilegiado para as coisas relacionadas ao esporte que pratica.  As bolas ganharam lugar sobre uma bancada baixa, a mesma que embute os aparelhos de som e vídeo e também possui gavetas para apetrechos esportivos. A marcenaria é enxuta: toda de laca branca e linhas retas, ela satisfaz as necessidades do jovem sem sobrecarregar o ambiente com excesso de móveis.



Não precisa nem dizer que o dono deste quarto é louco por música. Quem entra nos domínios de Renan, de 16 anos, é surpreendido por uma enorme pintura de Bob Marley, que ocupa toda a cabeceira da cama. “Gosto de reggae desde moleque”, conta o adolescente, que toca violão e guitarra. Para ressaltar a figura, pintada pelo artista Prisola, móveis neutros em que predomina o branco. A cama esconde um baú, que ajuda a pôr fim em qualquer bagunça.



A proposta  para o quarto de Matheus, 12 anos, foi criar uma base neutra com os móveis principais. “O melhor é bolar uma decoração independente da idade, que resista à mudança de interesse, comum nessa fase, e não precise ser trocada a cada ano”, explica ela. Outra sacada do ambiente é a mobilidade: além do carinho de TV, com rodízios, a bancada se desloca – ela possui um eixo giratório preso junto ao lambri. Assim, há espaço suficiente para quando amigos quiserem pernoitar ali.



Um único móvel agrupa bancada, estantes e gaveteiros no quarto de André, 9 anos. Com muitas prateleiras e nichos abertos e fechados, o móvel abriga de miudezas a material escolar. “Desenhado em forma de L e tampo arredondado no canto, ele não prejudica a circulação". Localizado junto à janela (que é de correr), o conjunto aproveita o lado mais iluminado. Aliás, a iluminação também foi repensada.



O proprietário tem 12 anos, é atleta de tênis e futebol, com uma coleção de medalhas e troféus. Esses elementos nortearam o projeto do quarto. A  madeira certificada nos móveis e algumas peças têm rodízios, o que facilita a mudança na distribuição. O comprimento das pranchas de madeira apoiadas em mãos-francesas serviu de parâmetro para a bancada de estudo, de mesmo acabamento. Tons sóbrios em tecidos e revestimentos evocam sobriedade.



Os amigos do garoto de 8 anos ficam surpresos quando entram em seu quarto, de 20 m². Apoiado na estrutura do closet aberto, o mezanino, a 2 m de altura, ganhou zabutons, que acolhem as visitas para pernoites. Para descer de lá, basta escorregar pelo tubo de bombeiro ou se pendurar na escada e se atirar nos pufes em forma de bola. Tons vibrantes de verde e azul em paredes e acessórios oferecem uma atmosfera cheia de energia. “Explorei o branco na marcenaria para equilibrar o excesso de cor”, explica a decoradora Simone Goltcher. Fácil de limpar, o piso vinílico é indicado para quartos de alérgicos.




Quarto Jovem. Inspirado em um jogador de polo, traz uma cama não convencional, com cabeceira de tecido e colchão embutido no piso de madeira de demolição. O nicho ao redor da janela é revestido de mármore e abriga um futon onde é possível relaxar ou usar o computador. Reproduzida em lona, a bandeira do Reino Unido faz alusão ao local considerado o berço do esporte.




Quarto de menino. O quarto faz homenagem ao surfista Armando Daltro. Nas paredes e no mobiliário, tons terrosos resgatam elementos da natureza e, em conjunto com a iluminação e os detalhes no teto, trazem sensação de aconchego. A marcenaria foi planejada para melhor aproveitamento do espaço e atender às necessidades do dono do quarto.

  

Os irmãos de 8 e 11 anos, já estavam acostumados a dividir o mesmo teto na hora de dormir. Quando a família se mudou para um apartamento maior, a ideia de ficarem separados não os convenceu. “Propus unir os dois quartos e criar um espaço maior que eles pudessem compartilhar”, fala a decoradora. O novo ambiente ficou com amplos 17 m², mas nem por isso encheu-se o lugar de móveis. Tantos as camas como a bancada, alojadas em cantos opostos, foram dispostas em L. Dessa forma, liberam a maior área possível dentro do quarto. Para subir nas camas, que têm 80 cm de altura, os irmãos usam uma escadinha. Na base dos móveis, há gavetões de 84 cm de profundidade para brinquedos e roupas de cama. A tinta laranja marca o local onde estava a parede entre os quartos, retirada na reforma.

Móveis capazes de manter sempre em ordem o quarto dos filhos adolescentes, Fábio e Fernando, foi o pedido da mãe para as decoradoras. Além do armário de roupas compartilhado, eles dividem a bancada de estudos e os módulos de parede. Nas camas, há rodízios, permitindo a disposição em L ou paralela. A ampla cabeceira de couro dá comodidade em ambos os casos.

Como o ambiente é grande, com 25,50 m², distribuí o mobiliário de forma que cada uma ganhasse o próprio espaço”, explica. Assim, tudo que existe de um lado também existe do outro: cama, armário e escrivaninha. E não para por aí. As irmãs controlam individualmente a luz, têm telefones separados e podem receber amigas para dormir graças às bicamas. Apesar da individualidade das áreas, o mobiliário é idêntico.


As trigêmeas de 15 anos queriam dormir no mesmo quarto, porém precisavam de cantos separados para estudar. A solução encontrada pelos pais foram os móveis de estrutura tubular que podem ser montados de acordo com o espaço disponível. Sendo assim, o ambiente de 13,2 m² foi mobiliado com um beliche do qual faz parte uma bancada de estudos. Duas escrivaninhas idênticas, com tampos de MDF com resina poliuretânica texturizada, ficaram lado a lado na parede e, de frente para elas, um sofá-bicama. “Essas peças ocupam menos espaço do que as feitas em marcenaria”, diz a mãe das meninas.


Os adolescentes de 16 e 18 anos não gostaram nada quando os pais comunicaram a mudança da família. Motivo: iam para um apartamento menor, onde passariam a dormir juntos num dormitório de 18 m².
Com apenas uma mesa-de-cabeceira, sobrou pouco espaço para as luminárias, que acabaram sendo parafusadas na parede. Os irmãos curtiram as ideias e adoraram saber que agora teriam uma TV de plasma só para eles.


A proprietária de 14 anos, se encantou pelo algodão estampado que hoje forra a colcha sobre sua cama, um modelo baixo e com nichos para livros e revistas. O tecido reveste também os futons e a cortina. “O quarto de 16 m² possui uma atmosfera feminina e alegre”, diz a decoradora.  A cadeira de bambu aquece a bancada de laca branca. Para garantir a luz na medida certa, o xale da cortina tem apoio de panos do tipo blecaute.


A dona deste dormitório de quase 9 m² tem apenas 5 anos, mas os pais queriam uma decoração capaz de resistir até a adolescência. “Fizemos um quarto com cama de adulto, pusemos uma penteadeira pequenina na lateral e uma escrivaninha que futuramente terá um computador”, dizem os arquitetos . A bancada de estudos ganhou um móvel de apoio inferior com gavetas para material escolar e prateleiras deslizantes com CDs e DVDs. Os móveis de peroba-mica são sólidos e duráveis, portanto toda a referência infantil será facilmente alterada com uma simples troca de colcha, almofadas e acessórios decorativos.


 Feminino e charmoso, mas nada excessivamente romântico. Era assim que a garota de 13 anos queria seu quarto de 13,25 m². “Coloquei flores de poliuretano em relevo nas paredes e pintamos todas de branco”, explica a arquiteta. De modo a aproveitar melhor o espaço, a bancada de estudos ficou encostada em frente à janela. Nichos laqueados de diversas formas e tons foram fixados na alvenaria e guardam livros e objetos decorativos. Almofadas lisas, listradas e bordadas destacam-se sobre a colcha branca.

A cama-sofá ficou encostada à parede, liberando espaço de circulação, e a penteadeira ganhou dupla função, pois também funciona como bancada de estudos. Prateleiras laqueadas expõem quadros com motivos delicados. Cortinas leves cobrem toda a largura do quarto de 15 m², apesar de a janela não ser tão extensa.

Bicama para receber as amigas, armários amplos para guardar muita roupa e a cor pink pincelada em todo o ambiente de 13,5 m². “Os desejos da moradora, de 17 anos, foram plenamente satisfeitos”.Como o tom era o mais importante, vários elementos fizeram a diferença: sobre a colcha neutra de microsseda matelassada foram aplicadas fitas de cetim em vários matizes de rosa. Almofadas de diversos tamanhos e formas trazem conforto. O tapete felpudo contrasta com o piso claro. No reflexo do espelho que reveste a porta do armário, se vê a bancada de estudos.

Para realizar os desejos de uma adolescente às vésperas da maioridade, a decoradora Jóia Bergamo idealizou um quarto multiúso com 16 m². A marcenaria laqueada prevê lugar para tudo. Na parede de cabeceira, revestida de croco, nichos exibem a coleção de bonecas bailarinas. A cama possui um colchão extra escondido sob o estrado, e a área de estudos tem um tampo em L para acomodar mais gente. Repare à direita: os CDs ficam acondicionados em caixa de acrílico adaptadas em um tudo de aço giratório. O quarto também agrada por sua luminosidade.

Mal dá para imaginar que a dona deste quarto tão sóbrio é uma menina de 11 anos.  Assim, os pais não precisarão trocar nada aqui nos próximos anos. Espaçoso (21 m²), o lugar comportou um closet, separado pelo painel de madeira wengé e aço inox, material que, colocado ao lado da janela, reflete a luz e ajuda a iluminar o interior.

Escrever poesias, e-mails para as amigas e ouvir música são os passatempos preferidos de Geórgia, 14 anos. Para fazer o que gosta, ela ganhou uma bancada de estudo com 3,50 m de comprimento e uma confortável cama com ares de sofá, que libera a área de circulação. Tecido de rami reveste a parede em que foi instalado o quadro de avisos, que mescla vidro e retalhos. Ali, a estante de gesso é uma opção mais barata do que a de madeira.


A mãe das meninas queria incentivar o convívio entre as filhas. Por isso, a solução foi unir duas suítes de 12 m² – um dos banheiros acabou virando closet. Na decoração, Ana buscou um clima bem feminino: além cor rosada das paredes, o enxoval exibe um patchwork diferente, com tonalidades próximas em cinco padrões distintos. As mesinhas de estudo têm 75 cm de altura e tampo de laminado plástico. Um lambri de 1,25 m de altura circunda o ambiente.



Via  Casa Claúdia.